Beleza

Solitário e bêbado na noite,
à mão uma garrafa de vinho já vazia levando
e ao vento palavras ininteligíveis cantarolando,
tive meu olhar desviado
pela luz que um ser nas trevas irradiava.
Primeiramente imaginei ser a embriaguez,
depois um vaga-lume ou estrela,
mas então perplexo e ainda incrédulo,
percebi que uma linda fada à minha frente voava!
Esfreguei meus olhos para crer
que à criatura tão bela tinha o prazer de conhecer,
mas não havia mais dúvidas,
não era álcool, vaga-lume nem estrela
e sim uma linda fadinha de pele alva e cabelos avermelhados
que agora à minha frente pairava!
Diante de tal espetáculo não pensei duas vezes
em um ente tão belo pela vida toda ao meu lado possuir
e num pulo em minhas mãos a prendi,
logo na garrafa vazia a enfiei
e rapidamente para minha casa a levei.
No dia seguinte, uma gaiola dourada comprei,
nela cuidadosamente a coloquei
e meus dias à sua frente passava me embriagando,
àquela maravilhosa entidade admirando
de um lado a outro de sua nova morada a se mover
e agradecendo à sorte de ser o único homem
neste mundo sua bela companhia ter.
Mas não passou muito tempo
até que suas asas murcharam,
sua luz se apagou
e das lágrimas que de seus olhos brotavam
foi o único brilho que restou.
Como sua tristeza em minha se transformava
e essa cada vez mais me inquietava e transtornava,
não consegui mais tão maravilhosa criatura prender
e numa noite triste
decidi então a porta da gaiola abrir
e minha linda fadinha deixar partir.
Demorou um pouco para ela ir,
a princípio desconfiada,
talvez ainda um pouco assustada com o porvir,
mas finalmente suas asas se levantaram
e pela porta aberta da gaiola conseguiu sair.
E quanto mais alto ela subia
mais meu coração sofria
por saber que a perdia.
Mas essa tristeza prontamente se dissipou
quando o céu por sua luz novamente se iluminou 
e então percebi maravilhado
que não foi sua posse ou exclusividade,
mas sim a beleza do seu brilho ao voar,
que me fez, naquela primeira noite,
por ela me apaixonar.